Coisas Da Vida !!!

A vida pode nos deixar de "boca aberta" em momentos e circunstâncias velhas, novas, iguais e diferentes

Margaridas

by - 2:53 PM

Carla não compreendia de onde tinha surgido aquele caminho. Tortuoso, com calçadas que mesclavam suas cores no concreto e os verdes do musgo, mas, logo viu algumas margaridas, pareciam querer mostrar que a beleza podia despontar em qualquer lugar.

Era tudo muito estranho, questão de segundos lembrava de sua cama, seu travesseiro, seu quarto. Suficientemente confortáveis para enfrentar aquela noite que parecia ser a mais fria do mês. Como se não bastasse o vento tentando entrar pelas fechaduras da porta, ela sentia um frio na espinha, às vezes, assim, do nada mesmo.

Por essa razão demorará a dormir, os olhos pareciam não querer fechar e pelo contrário estavam mais vivos do que na noite que quisera se manter acordada para finalizar aquela monografia. Tinha certeza que se levantasse naquele momento, conseguiria passar a noite em claro, facilmente.

Porém não queria. Já tinha tomado litros de café na noite anterior para realizar tal proeza. Estava mais do que decidida a continuar debaixo das cobertas e forçar sua mente e olhos a descansarem. Era preciso. Realmente necessário. Caramba será que eles não se davam conta de que um ser humano precisa descansar vez ou outra.

Uma hora decidiu não reagir, ligou o som e se concentrou. A música penetrava em sua mente com força, a intensidade foi maior do que esperado, sentiu uma pontada no lado esquerdo do cérebro. Sua mente parecia decidida a criar uma banda completa naquele espaço mínimo.

Colocou a mão na altura da têmpora. Fechou os olhos, forçou, como se pudesse espantar tudo aquilo, enquanto concluía já impaciente: ligar o som não fora uma boa idéia. Quando abriu os olhos a dor parecia ter sumido, olhou para o alto, como se esse gesto permitisse que visualizasse seu cérebro. Sorriu, respirou fundo e ao olhar ao redor, lá estava ela em pé, naquele caminho.

Era muito surreal para ser verdade. Então, preferiu não discutir com a mente, que naquela noite estava particularmente inquieta. Mergulhou de vez, começou a caminhar, sabia que estava em um sonho, não poderia ser outra coisa. Então, não custava nada andar e seguir aqueles estranhos musgos com suas margaridas.

Andou, andou, parecia não haver fim, entretanto, não sentia cansaço algum. Suas pernas pareciam curtir aquele momento. Talvez estivessem mesmo, já que a maior parte do tempo ela passava sentada tentando cruzar informações que auxiliassem no desenvolver de suas pesquisas.

Outro clique mental. O sonho só podia ser uma necessidade fisiológica do corpo, era isso, o corpo pedia por um pouco mais de movimento.

You May Also Like

0 comentários